O casamento judaico tem tradições próprias e uma série de acontecimentos diferentes dos brasileiros, mas indispensáveis à origem dos noivos judeus. Por isso, o significado profundo dessa união ressalta a beleza do amor de forma única com a intenção de emocionar todos os convidados

Diversos rituais e costumes marcam a cerimônia, sempre de maneira respeitosa aos símbolos da religião e, claro, os noivos e suas respectivas famílias fazem parte disso nos momentos especiais. Ou seja, o evento ganha ainda mais romantismo diante de uma cultura tão expressiva.

O conteúdo a seguir vai apresentar a você 8 dos principais rituais tradicionais em um casamento judaico. Acompanhe e veja as curiosidades!

1. A tenda chupá

Uma das mais marcantes características do casamento judaico é a tenda chupá, que nada mais é do que o altar em que os noivos ficam durante a cerimônia. O grande diferencial está na estrutura dessa instalação, que é formada por 4 barras de sustentação, sendo aberta nas laterais e coberta por um véu, com velas e flores.

Na tradição judaica, a tenda chupá representa o novo lar dos noivos que, agora casados, formarão uma família. Por isso, passam toda a cerimônia ali, para que recebam a benção ao futuro do relacionamento. A festividade costuma ser realizada ao ar livre, mas isso não é exatamente uma regra da religião que permite o matrimônio em diferentes locais além da sinagoga.

2. O ritual de chegada da noiva ao chupá

Em ordem cronológica de acontecimentos da cerimônia de casamento, assim como em outras tradições, o noivo chega primeiramente ao chupá e, então, fica à espera de sua futura esposa, que é conduzida até esse altar pelos seus pais.

Ao chegar na estrutura, a noiva é deixada ali pelos pais que, em seguida, dão 7 voltas ao redor do noivo, em um ritual de simbologia cabalística e tradicional nos costumes judaicos. Esse ato representa a criação das paredes do lar dos noivos, enquanto o número de voltas funciona como uma alusão à quantidade de dias em que ele foi criado.

3. A noiva chega ao chupá com o rosto coberto

Um detalhe imprescindível nas cerimônias judaicas é a noiva ter o rosto coberto por um véu ao chegar ao chupá, após ser entregue pelos seus pais ao noivo.

Esse é um ato tradicional e representa que, mesmo com o passar dos anos e com a possibilidade da perda da beleza, a noiva seguirá importante ao seu futuro marido, que preza por todo o valor que a mulher terá em sua vida.

Outro motivo pelo qual o noivo cobre o rosto da noiva é o fato de a tradição judaica acreditar que, no momento do casamento, a mulher carrega no rosto a felicidade divina, que deve, então, ser preservada e protegida.

4. O uso do kipá pelos homens

Acessório tradicional entre o povo judeu, o kipá é obrigatório a todos os homens presentes nos casamentos, sejam eles judeus ou não. O uso por parte de convidados que não seguem a religião se transforma em uma demonstração de respeito aos noivos e ao que eles acreditam.

De acordo com a tradição judaica, o uso dos kipás no casamento traz uma representação simbólica do reconhecimento de que há uma entidade divina acima de todos que, na tradição dos judeus, é D’us.

5. O uso do talit pelo noivo

Outro importante acessório é o talit, que costuma ser usado somente pelo noivo durante toda a cerimônia. Ele nada mais é do que um xale de orações apoiado na cabeça e com suas extremidades recaídas pelos ombros do homem.

A representação do talit é para que o noivo se lembre da necessidade de ser humilde, tendo consciência de que todos são iguais perante D’us, sua divindade na religião.

6. A Entrega das alianças

Esse momento representa o ponto alto da cerimônia — é o equivalente ao “eu os declaro marido e mulher” do casamento católico. A troca de alianças se mostra como um ato de santificação essencial para o sucesso da vida a dois e, a partir do instante em que o noivo coloca o anel na mão da mulher, eles já são considerados casados. Outra curiosidade interessante está em utilizá-lo na mão mais forte da noiva.

Seja canhota ou destra, diferentemente do uso na mão esquerda das outras religiões. O judaísmo encara o anel como símbolo de poder, proteção e autoridade. Diante do compromisso firmado perante os convidados, o casal passa a compartilhar todos os detalhes da vida, como bens, os sonhos e também os problemas.

O ritual, dentro desse contexto, defende o valor da aliança de forma sagrada que traz um círculo inquebrável. O cortejo de saída dos noivos também é marcado por um momento especial. Todos devem gritar “Mazel Tov” que significa boa sorte na nova vida como um casal.

7. A famosa quebra do copo

Certamente você já deve ter ouvido falar sobre esse ritual indispensável no final da cerimônia de casamento. Com todos os convidados em silêncio, o noivo quebra um copo com o pé direito. O ato funciona como uma forma emocionante de relembrar a destruição do templo de Jerusalém.

Já o vidro quebrado no chão mostra a reconstrução em diferentes fases e toda a simbologia está ligada à visão de mortalidade do homem. A tradição defende que os laços de afeto serão fortalecidos a cada dia a partir da convivência entre marido e mulher. Tudo isso se desenvolve conforme a compreensão dos limites baseada em amor, carinho, respeito, companheirismo e rigidez nas leis de pureza familiar.

8. Os diferentes significados

Vale ressaltar que os rituais podem apresentar algumas diferenças conforme a origem das famílias judias. Os judeus Sefaradis, que vieram da Espanha e de outros países árabes, têm algumas práticas completamente distintas dos Ashkenazim, migrados da França ou da Alemanha.

Um bom exemplo está na questão das madrinhas. Em cada país existe uma tradição em relação às pessoas que dividem o altar. Nos Estados Unidos e no Panamá as cerimônias ortodoxas têm casais de padrinhos. Claro que não é chamado da mesma forma, entretanto, ocupam funções idênticas do religioso católico.

Além disso, as festas ortodoxas costumam ter uma divisão no salão em que os homens dançam de um lado e as mulheres de outro. Os encontros em ocasiões desse tipo são sempre muito animados com músicas temáticas. Ao serem convidados, os amigos e familiares recebem a função de alegrar os noivos com o carinho de sua presença.

Pronto! Agora você já conhece os principais rituais e curiosidades do casamento judaico. A beleza da cerimônia está, justamente, nas tradições religiosas que defendem o amor e o companheirismo na vida a dois. O respeito se mostra como um importante ponto na hora de seguir as crenças desse povo em um momento tão importante para os noivos.

Gostou de conhecer um pouco mais sobre a tradição desta cerimônia? Então, leia também sobre a importância do local nos diferentes tipos de casamento.

Autor

Escreva um comentário

Share This