Category

Curiosidades

Category

Quais são as 7 músicas mais tocadas em casamentos? Confira aqui!

Nem sempre é fácil escolher a trilha sonora da cerimônia entre as músicas mais tocadas em casamentos. Essa é uma das tarefas mais importantes do planejamento da festa e, por isso, deve ser levada muito a sério.

Nossos cinco sentidos (audição, paladar, tato, olfato e visão) trabalham em conjunto e são capazes de nos fazer recordar diversos momentos. Por isso, escolher a música certa é muito importante, já que essa canção trará lembranças do grande dia pelo resto da vida do casal.

Quer conhecer algumas das opções consagradas de músicas tocadas nesses eventos e descobrir se aquela que marcará seu casamento está entre elas? Continue a leitura!

1. A Thousand Years — Christina Perri

A canção foi inspirada e feita para um dos casais mais famosos da ficção — Edward e Bella, do filme Crepúsculo, em 2011. Desde então, tem sido uma das mais tocadas em casamentos no mundo todo. A música descreve um amor eterno, que se iniciou antes de o casal se conhecer e durará para sempre. Ou por mais mil anos.

2. Marcha Nupcial — Felix Mendelssohn

Clássica das clássicas, não há uma pessoa que nunca tenha escutado essa marcha nupcial, presente em todos os casamentos. Foi composta, em 1842, para a peça de Shakespeare, Sonho de Uma Noite de Verão, introduzida posteriormente à sua criação. Ficou famosa em casamentos quando a princesa Victoria da Inglaterra usou no seu casamento com o príncipe Frederick William da Prússia, em 1858.

3. Chuva de Arroz — Luan Santana

Luan Santana, como sempre, está representando todos os apaixonados e, em Chuva de Arroz, não é diferente. Na música de 2015, o cantor relata para os amigos como está perdidamente apaixonado e não vê o dia de se casar, com direito à chuva de arroz e tudo!

4. Thinking Out Loud — Ed Sheeran

Com mais uma música apaixonante e envolvente, Ed Sheeran conquista novamente nossos corações com essa balada romântica de 2014. A canção fala do futuro, declarando que a relação de ambos durará a vida inteira. Pode ser usada em qualquer momento da cerimônia.

5. Como é Grande Meu Amor Por Você — Roberto Carlos

Quem resiste ao Rei, não é mesmo? Essa música, de 1967, é um clássico e não deve existir ninguém que não se emocione ao escutar as lindas palavras de Roberto Carlos, descrevendo o quanto ama à sua pessoa querida. Na maioria das vezes, é usada no momento em que a noiva entra na igreja, no instrumental ou pelo coral.

6. Pra Você Guardei o Amor — Nando Reis

Com a participação de Ana Canãs, essa canção de Nando Reis surgiu no álbum Drês, de 2009, e embala trilhas sonoras de vários casais. A música combina com vários momentos da cerimônia, da entrada do noivo até a entrada de pajens com a aliança.

7. Primavera — Vivaldi

Essa é uma opção boa para os casais mais clássicos, por se tratar de uma composição do estilo barroco muito tradicional. A Primavera faz parte de um quarteto de concertos inspirado nas quatro estações do ano, produzido pelo compositor italiano em 1723.

Gostou de nossa lista de músicas mais tocadas em casamentos? Ouça todas as opções com muita atenção e escolha a que mais combinar com aquele que será o momento mais importante da sua vida!

E aí, conhece mais músicas que combinam com esse momento especial? Deixe o seu comentário no post!

5 regras de etiqueta para casamento que você deveria conhecer

Mesmo que seja descontraído, o Grande Dia ainda deve ser tratado como uma cerimônia, que carrega tradição e simbolismos. Por isso, seguir algumas regras de etiqueta para casamento é importante para que tudo funcione de maneira organizada.

Adotar essas regras não significa que seu casamento será rígido. Elas servem para criar um ambiente agradável e não atrapalhar a celebração e a alegria que os noivos e todas as pessoas estão sentindo.

Além disso, as cerimônias e as festas evoluíram ao longo do tempo, e você pode adaptar as regrinhas para que se encaixem no estilo do seu casamento. Fizemos uma lista com as cinco mais importantes. Confira!

1. Entrega dos convites

Essa é uma daquelas regras que já mudou com o tempo e você pode adotar o que considerar mais razoável. Antigamente, os convites eram distribuídos com três meses de antecedência. Hoje, apenas um. Se você tem convidados que moram no exterior, por exemplo, ou que precisam fazer um grande deslocamento para estarem presentes, opte pelo tempo de três meses. Vale também enviar um save the date seis meses antes.

2. Vestimenta dos noivos

A cor da noiva é o branco, mas é possível optar por variações como o off-white ou tons perolados. No caso do noivo, o ideal é optar pelo fato escuro (para casamentos à noite) ou fraque (para casamentos de dia). Nesse caso, também é permitido ao noivo usar tons pastéis.

3. Distribuição das mesas

Deixar que os convidados escolham seus lugares pode até parecer uma tentativa de deixá-los mais à vontade, mas a verdade é que essa medida pode causar grandes confusões. É provável que algumas mesas não sejam preenchidas e outras fiquem lotadas. Então, faça você a distribuição dos lugares, lembrando sempre de privilegiar convidados especiais, como pais e avós dos noivos.

4. Presentes

Como lidar com os presentes? Essa é uma dúvida bastante comum entre os noivos. Fazer uma lista e deixá-la disponível para acesso online facilita a escolha dos convidados. Porém, não cobre que os convidados sigam essa lista, porque pode soar grosseiro. Geralmente, os convidados levam os presentes à casa da noiva, antes da cerimônia. Se receber algo durante a recepção, agradeça, deixe com o cerimonial e leve para casa após o término da festa.

5. Festa

O momento mais despojado do evento também merece atenção em alguns pontos. Primeiro, é ideal escolher um local que tenha espaço para a realização da festa. Do contrário, os convidados não se sentirão à vontade para dançar. Afastar as mesas para criar uma pista de dança não é nada bacana ou sofisticado. Atente-se também à quantidade de bebida alcoólica. Não exagere para evitar criar acidentes.

As regras de etiqueta para casamento ajudam os noivos a planejar o Grande Dia com mais facilidade, seguros de que tudo dará certo, a recepção será ótima e os convidados se sentirão bem-vindos!

Se qualquer situação inoportuna surgir, vale pedir ajuda da equipe de eventos ou mesmo das madrinhas e dos padrinhos. É preciso tentar resolver da melhor maneira possível e seguir a festa! Afinal, todos querem compartilhar e celebrar o amor dos noivos!

Quer encontrar outras dicas como estas? Siga nossas páginas nas redes sociais: no LinkedIn e no Facebook, onde temos a Casa Aragon e o Castelo Aragon!

Saiba 8 curiosidades sobre o casamento judaico

O casamento judaico tem tradições próprias e uma série de acontecimentos diferentes dos brasileiros, mas indispensáveis à origem dos noivos judeus. Por isso, o significado profundo dessa união ressalta a beleza do amor de forma única com a intenção de emocionar todos os convidados

Diversos rituais e costumes marcam a cerimônia, sempre de maneira respeitosa aos símbolos da religião e, claro, os noivos e suas respectivas famílias fazem parte disso nos momentos especiais. Ou seja, o evento ganha ainda mais romantismo diante de uma cultura tão expressiva.

O conteúdo a seguir vai apresentar a você 8 dos principais rituais tradicionais em um casamento judaico. Acompanhe e veja as curiosidades!

1. A tenda chupá

Uma das mais marcantes características do casamento judaico é a tenda chupá, que nada mais é do que o altar em que os noivos ficam durante a cerimônia. O grande diferencial está na estrutura dessa instalação, que é formada por 4 barras de sustentação, sendo aberta nas laterais e coberta por um véu, com velas e flores.

Na tradição judaica, a tenda chupá representa o novo lar dos noivos que, agora casados, formarão uma família. Por isso, passam toda a cerimônia ali, para que recebam a benção ao futuro do relacionamento. A festividade costuma ser realizada ao ar livre, mas isso não é exatamente uma regra da religião que permite o matrimônio em diferentes locais além da sinagoga.

2. O ritual de chegada da noiva ao chupá

Em ordem cronológica de acontecimentos da cerimônia de casamento, assim como em outras tradições, o noivo chega primeiramente ao chupá e, então, fica à espera de sua futura esposa, que é conduzida até esse altar pelos seus pais.

Ao chegar na estrutura, a noiva é deixada ali pelos pais que, em seguida, dão 7 voltas ao redor do noivo, em um ritual de simbologia cabalística e tradicional nos costumes judaicos. Esse ato representa a criação das paredes do lar dos noivos, enquanto o número de voltas funciona como uma alusão à quantidade de dias em que ele foi criado.

3. A noiva chega ao chupá com o rosto coberto

Um detalhe imprescindível nas cerimônias judaicas é a noiva ter o rosto coberto por um véu ao chegar ao chupá, após ser entregue pelos seus pais ao noivo.

Esse é um ato tradicional e representa que, mesmo com o passar dos anos e com a possibilidade da perda da beleza, a noiva seguirá importante ao seu futuro marido, que preza por todo o valor que a mulher terá em sua vida.

Outro motivo pelo qual o noivo cobre o rosto da noiva é o fato de a tradição judaica acreditar que, no momento do casamento, a mulher carrega no rosto a felicidade divina, que deve, então, ser preservada e protegida.

4. O uso do kipá pelos homens

Acessório tradicional entre o povo judeu, o kipá é obrigatório a todos os homens presentes nos casamentos, sejam eles judeus ou não. O uso por parte de convidados que não seguem a religião se transforma em uma demonstração de respeito aos noivos e ao que eles acreditam.

De acordo com a tradição judaica, o uso dos kipás no casamento traz uma representação simbólica do reconhecimento de que há uma entidade divina acima de todos que, na tradição dos judeus, é D’us.

5. O uso do talit pelo noivo

Outro importante acessório é o talit, que costuma ser usado somente pelo noivo durante toda a cerimônia. Ele nada mais é do que um xale de orações apoiado na cabeça e com suas extremidades recaídas pelos ombros do homem.

A representação do talit é para que o noivo se lembre da necessidade de ser humilde, tendo consciência de que todos são iguais perante D’us, sua divindade na religião.

6. A Entrega das alianças

Esse momento representa o ponto alto da cerimônia — é o equivalente ao “eu os declaro marido e mulher” do casamento católico. A troca de alianças se mostra como um ato de santificação essencial para o sucesso da vida a dois e, a partir do instante em que o noivo coloca o anel na mão da mulher, eles já são considerados casados. Outra curiosidade interessante está em utilizá-lo na mão mais forte da noiva.

Seja canhota ou destra, diferentemente do uso na mão esquerda das outras religiões. O judaísmo encara o anel como símbolo de poder, proteção e autoridade. Diante do compromisso firmado perante os convidados, o casal passa a compartilhar todos os detalhes da vida, como bens, os sonhos e também os problemas.

O ritual, dentro desse contexto, defende o valor da aliança de forma sagrada que traz um círculo inquebrável. O cortejo de saída dos noivos também é marcado por um momento especial. Todos devem gritar “Mazel Tov” que significa boa sorte na nova vida como um casal.

7. A famosa quebra do copo

Certamente você já deve ter ouvido falar sobre esse ritual indispensável no final da cerimônia de casamento. Com todos os convidados em silêncio, o noivo quebra um copo com o pé direito. O ato funciona como uma forma emocionante de relembrar a destruição do templo de Jerusalém.

Já o vidro quebrado no chão mostra a reconstrução em diferentes fases e toda a simbologia está ligada à visão de mortalidade do homem. A tradição defende que os laços de afeto serão fortalecidos a cada dia a partir da convivência entre marido e mulher. Tudo isso se desenvolve conforme a compreensão dos limites baseada em amor, carinho, respeito, companheirismo e rigidez nas leis de pureza familiar.

8. Os diferentes significados

Vale ressaltar que os rituais podem apresentar algumas diferenças conforme a origem das famílias judias. Os judeus Sefaradis, que vieram da Espanha e de outros países árabes, têm algumas práticas completamente distintas dos Ashkenazim, migrados da França ou da Alemanha.

Um bom exemplo está na questão das madrinhas. Em cada país existe uma tradição em relação às pessoas que dividem o altar. Nos Estados Unidos e no Panamá as cerimônias ortodoxas têm casais de padrinhos. Claro que não é chamado da mesma forma, entretanto, ocupam funções idênticas do religioso católico.

Além disso, as festas ortodoxas costumam ter uma divisão no salão em que os homens dançam de um lado e as mulheres de outro. Os encontros em ocasiões desse tipo são sempre muito animados com músicas temáticas. Ao serem convidados, os amigos e familiares recebem a função de alegrar os noivos com o carinho de sua presença.

Pronto! Agora você já conhece os principais rituais e curiosidades do casamento judaico. A beleza da cerimônia está, justamente, nas tradições religiosas que defendem o amor e o companheirismo na vida a dois. O respeito se mostra como um importante ponto na hora de seguir as crenças desse povo em um momento tão importante para os noivos.

Gostou de conhecer um pouco mais sobre a tradição desta cerimônia? Então, leia também sobre a importância do local nos diferentes tipos de casamento.

Entenda o significado da chuva de arroz em casamento

Entre as muitas decisões que os noivos têm de tomar enquanto planejam o casamento, um dos detalhes mais importantes é sobre a opção de aderir (ou não) às diversas tradições da cerimônia. A chuva de arroz em casamento é um costume antigo, e vem sendo replicado ao longo da história. Por isso, muita gente nem se preocupa com o seu significado. Mas você sabe como esse hábito começou? Por que os convidados jogam arroz nos noivos após o “sim”?

Neste post, elaboramos uma espécia de miniguia onde explicamos tudo sobre essa prática. Também vamos dar algumas dicas de substituições ao arroz, caso você queira optar por outro tipo de comemoração na saída da igreja. Confira:

Origem da chuva de arroz em casamentos

Em muitos povos antigos, o arroz é o principal alimento, e simboliza a fartura e a fertilidade. Por isso, jogar o cereal no casal de noivos é uma maneira de desejar a eles um futuro feliz, de muitas alegrias e de construção de uma família.

Mas a história mais difundida para explicar a origem da chuva de arroz nos casamentos aconteceu na China, cerca de 4 mil anos atrás. A lenda conta que um mandarim (naquela época, alto funcionário do governo) encomendou uma chuva de arroz para ser lançada na filha dele quando ela se casou. Foi uma maneira de mostrar publicamente sua riqueza e seu amor pela filha.

Evolução do costume: flores e outros hábitos

Aos poucos adotada pela cultura ocidental, a tradição da chuva de arroz teve algumas variações; nos Estados Unidos, por exemplo, o costume foi substituído pela prática de jogar flores. O motivo seria que o arroz poderia fazer mal aos pássaros que, por acaso, acabassem ingerindo o grão. E as mudanças na tradição se estendem a outros países. Em algumas culturas, por exemplo, o arroz é substituído por outros cereais, como o milho.

Alternativas ao arroz

Se você não quer adotar essa tradição e prefere outros tipos de celebrações, pode optar por algumas alternativas. Confira sugestões:

  • chuva de pétalas da sua flor preferida (ou da flor que está mais presente na decoração da festa);
  • chuva de pompons ou papéis picotados;
  • chuva de bolhas de sabão (nesse caso, a produção do evento pode entregar para cada padrinho ou convidado um potinho para fazer bolhas de sabão e avisa-los para utilizarem na saída dos noivos).

Uma das tradições mais consagradas e reproduzidas em todo o mundo, a chuva de arroz em casamento é uma maneira de desejar aos noivos boa-sorte e bons frutos para o futuro. Combina muito com casamentos clássicos e rende fotos lindas na saída da igreja. Se você optar por essa comemoração, lembre-se apenas de checar se o local permite, e de combinar tudo direitinho com o padre, como o responsável pelo lugar ou por quem vai celebrar a cerimônia!

A chuva de arroz pode parecer apenas um detalhe, mas não é. Quando se trata do seu casamento, cada particularidade é importante para realizar a sua festa dos sonhos!

Gostou desse post? Compartilhe com seus amigos nas redes sociais para que eles também conheçam a história por trás da chuva de arroz em casamentos!

A história da aliança de casamento e seus significados

As alianças são um dos principais símbolos de um relacionamento amoroso, como o noivado ou o casamento. Mas você sabe qual é a história da aliança de casamento?

Essa é uma tradição bem antiga, demonstrando o elo entre duas pessoas. Se você quer saber mais sobre essa tradição, acompanhe este post!

A história da aliança de casamento

Desde o Egito antigo, os anéis são considerados acessórios com significados íntimos. Na sua criação, eles tinham diferentes utilidades e conceitos: talismãs pessoais, moeda de troca, símbolo de status ou promessa de amor.

Original do latim “alligare” — relação de proximidade ou de união —, a aliança de casamento simboliza o pacto realizado entre o casal. A história da aliança de casamento, no entanto, não é única: cada cultura tinha um significado e uma costumes diferentes sobre esses anéis.

Egito

Para os egípcios, o anel era um símbolo poderoso. Por ser um círculo, não há início nem fim, e isso representa a vida eterna e o amor imortal. A abertura no centro significa a entrada para um mundo desconhecido.

Nessa cultura, usava-se a aliança no 4º dedo da mão esquerda, pois ele teria uma veia que se conecta ao coração da pessoa que usa o anel, sendo um dos motivos para que o anelar seja o dedo oficial para a aliança de casamento.

Roma

Já os Romanos, além de concordarem com a simbologia egípcia quanto ao significado e a utilização no anelar, também viam a aliança como um símbolo de posse: os homens acreditavam que seriam donos de suas mulheres ao dar-lhes um anel.

Grécia

Para os Gregos, as alianças simbolizavam cuidado e afeição, sendo confeccionadas em ferro imantado para que os corações dos noivos permanecessem conectados.

Outras culturas

Apesar de a medicina não corroborar a informação a respeito da conexão da veia do anelar esquerdo com o coração, outras culturas adotaram essa escolha. Além disso, para a Igreja, utilizar a aliança na mão esquerda a deixa mais próxima do coração.

Significado da aliança de casamento

Atualmente, as alianças representam a felicidade do casal. Muitas religiões acreditam que esses anéis representam duas metades que formam um inteiro, adotando-a como símbolo de união e fidelidade entre os casais.

Porém, sabe-se que essa tradição não é seguida apenas pelas religiões, tendo em vista que a aliança possui diversos significados, como:

  • amor;
  • comprometimento;
  • cumplicidade;
  • eternidade;
  • fidelidade.

Por isso, a partir do final da cerimônia, o casal passa a usar a aliança como símbolo do seu amor e da sua união.

Os tipos de aliança

Existem vários tipos de aliança para os noivos escolherem. Podem ser modelos iguais ou com detalhes que diferenciam a de cada um. O importante é que seja mantida a harmonia, como na vida do casal.

Existem 4 tipos de alianças:

  • alianças lisas: é o modelo clássico e tradicional, sem nenhuma pedra preciosa e pode ser feita com diversos materiais.
  • alianças cravejadas: esses anéis, cravejados com diamantes ou outras pedras, costumam ser escolhidos por quem busca mais brilho;
  • alianças de diamante ou eternity band: nesses modelos o aro inteiro é formado pelas pedras, com metais apenas acima ou abaixo, mas não entre elas;
  • meia aliança cravejada ou anniversary band: parecida com a cravejada ou a de diamante, a diferença é que as pedras ocupam apenas metade do aro, o restante é liso.

Como escolher o modelo ideal

Para escolher o melhor modelo é importante pesquisar fotos, ir em joalherias e analisar as opções: você precisará definir formato, material, cor, estilo e largura do anel.

É preciso lembrar de que elas serão usadas por muito tempo e, por isso, devem ser escolhidas de acordo com o gosto dos noivos, e não apenas considerando a moda e outros fatores que podem causar arrependimento futuro.

Para quem tem um orçamento limitado e quer alianças com mais detalhes, com diamantes, por exemplo, é possível optar por um modelo simples e incluir as pedras em determinados momentos, como comemorações de bodas.

Existem várias opções, adaptáveis a todos os gostos e orçamentos. Com calma, é possível encontrar aliança ideal para simbolizar a sua união.

Se você gostou deste texto sobre a história da aliança de casamento, assine a nossa newsletter e receba os nossos conteúdos por e-mail!